Nota da Congregação da FE

Nota da Congregação da FE
 
Apoio à paralisação 
Em defesa da Educação e contra a Reforma da Previdência 

Dia 14/06/2019

Dando continuidade às manifestações ocorridas nos dias 15 e 30 de maio, em defesa da Educação Pública e gratuita e contra os cortes na Educação, os professores, técnicos administrativos e estudantes das universidades federais, organizados em seus sindicatos e diretórios acadêmicos, decidiram aderir à greve geral, convocada por diversas categorias de trabalhadores nesta sexta-feira, dia 14 de junho, contra a Reforma da Previdência.

A Congregação da Faculdade de Educação, reunida no dia 11 de junho de 2019, apoia a mobilização contra e Reforma da Previdência e em Defesa da Educação Pública e gratuita.

Rio de Janeiro, 13 de junho de 2019.

Congregação da Faculdade de Educação da UFRJ

Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva

Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva (FPAI)

Descrição do Logotipo:

Na cor laranja, um coração formado por duas letras S unidas, a segunda em posição espelhada.

Convite

 Plenária do Calendário 2019

DIA 13/06/2019

Prezado(a)(s),

Vimos convidar para a quarta plenária do calendário 2019 do Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva, a ser realizada no dia 13 de junho, quinta-feira, no Salão Nobre da Decania do Centro de Tecnologia, à Avenida Athos da Silveira Ramos, 149, 2º. Andar, Cidade Universitária, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ, com início às 14h e encerramento às 17h.

A pauta será composta por:

. Balanço

. CEPG

. Informes

. Demandas

A plenária contará com o apoio de intérpretes de LIBRAS.

Secretaria Executiva do Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva contato@acessibilidade.ufrj.br

Em defesa da Educação Pública: Fernando de Azevedo no IEB

DIVULGAÇÃO: Seminário organizado pelo professor de História da Educação da FE-UFRJ Cláudio Sooma. (Pós-doutorado USP)

Nos dias 12, 13 e 14 de junho de 2019, estarão reunidos no IEB-USP pesquisadoras e pesquisadores de diferentes Universidades com o objetivo de debaterem dimensões da atuação política-profissional de Fernando de Azevedo em alguns momentos da História da Educação no Brasil. Continue lendo Em defesa da Educação Pública: Fernando de Azevedo no IEB

Matinê Pedagogias da Imagem na 3a Semana Nacional de Arquivos

Matinê Pedagogias da Imagem na 3a Semana Nacional de Arquivos

Dia 11 de junho de 2019, às 10h.

Exibição de 3 filmes de arquivo curta-metragens, seguida de conversa com a realizadora:

Monica Klemz
Bacharel em cinema desde 2018, nas suas atividades acadêmicas, se dedicou ao estudo do intertexto como ferramenta do filme-ensaio, como pesquisadora, roteirista e diretora. Seu filme de estréia Um Jardim Singular foi selecionado no Full Frame Documentary Film Festival 2018, 2018 Traverse City Film Festival, Doc Fortnight Shorts Festival 2019, The Museum of Modern Art – MoMA, entre outros. Continue lendo Matinê Pedagogias da Imagem na 3a Semana Nacional de Arquivos

Podcast Faculdade de Educação da UFRJ estreia “Cotidianos”

Tem mais um episódio do Podcast Faculdade de Educação da UFRJ no ar!

É o primeiro episódio da série Cotidianos, do Podcast Faculdade de Educação da UFRJ. Neste primeiro episódio, vamos conhecer um pouco mais sobre o curso de Licenciatura em Pedagogia da FE, que obteve nota máxima no Enade em 2017 (o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), a reforma curricular em curso, e também conhecer um pouco mais sobre a atuação e o perfil dos pedagogos formados pela FE.

Ouça o episódio no seu aplicativo de podcast favorito, procurando por Podcast Faculdade de Educação da UFRJ, ou aqui.

Chamada para o V Seminário do EDF


EXPERIMENTAÇÕES: RESISTÊNCIA E EDUCAÇÃO NO OLHO DO FURACÃO

Datas: 10, 11, 12/09/2019

Propostas por e-mail de 15/04 até 02/07

E-mail: seminarioedf2019.ufrj@gmail.com

Proposta

Toda pesquisa é um processo de experimentação através do qual buscamos criar novos conhecimentos acerca dos temas e questões que nos concernem e nos constituem. A palavra experiência mobiliza assim uma acepção ambígua, relacionando-se tanto à trajetória do especialista como à situação-limite, situação de perigo daquele que desconhece, que ignora.

Em nota para seu livro “Poesia como experiência”, Philipe Lacoue-Labarthe se utiliza da análise etmomlógica encetada por Roger Munier para observar que:

“Experiência vem do latim experiri, testar, tentar, provar. O radical é periri, que também pode ser encontrado em periculum, risco, perigo. A raiz indo-europeia é per, a qual está ligada às ideias de ‘travessia’ e, em segundo plano, de prova, teste. (…) A ideia de experiência como ‘travessia’ é etmologicamente e semanticamente difícil de separar da ideia de ‘risco’. Em seus primórdios e em um sentido fundamental, ‘experiência’ quer dizer expor-se ao ‘perigo’.” (Roger Munier, maio de 1972, apud Philipe Lacoue-Labarthe, Poetry as Experience, 1986 [1999]).

Sendo a Universidade o local por excelência da pesquisa, pensamos que seria conveniente lançar essa temática: a pesquisa como proposta de experiência, pesquisa como experimentação, como utilização dos saberes adquiridos, mas também como uma exposição ao perigo, o retorno a um estado de não-saber, de curiosidade, que é a base de desassossego que anima toda construção de conhecimento.

Notamos também que no termo “experimentações” encontra-se a palavra “ações”, que diz respeito ao sentido mais agudo da palavra resistência. Deste modo, ao explorar o caráter experimental próprio à educação, visa-se aqui a promoção de resistências múltiplas e criativas contra as formas de empobrecimento da vida. Assim também, por que não repensarmos as formas de avaliação? Repensar o uso de conceitos como os de fracasso escolar, aluno fraco, repetente, indisciplina, entre outros, que estigmatizam aqueles que não se encaixam nos padrões sociais hegemônicos.

As resistências aparecem com o sentido de invenção e experimentação de novos conceitos, práticas, novos espaços, outras formas de relação professor e estudante nas quais outros recortes e configurações de conhecimento possam ser explorados. Experimentações: os fazeres artísticos em todas as suas expressões, os estudos ambientais, estudos do corpo, os embates da política e o que eles podem nos oferecer tanto do ponto de vista individual como em comunidade.

O que está em causa quando falamos de pesquisa como experimentação e resistência é a questão da universidade como espaço de liberdade. Para Tim Ingold (2018), a liberdade “como qualquer outra tarefa, tem que ser executada. A liberdade é executada, na academia, nas atividades de ensino, pesquisa e estudo, e exemplificada na relação dos acadêmicos com os seus pares, com os estudantes e com a sociedade em geral. É sempre work in progress; nunca podemos desistir dela e assumir que esteja ganha.”

No V seminário do EDF, nos propomos pensar o presente da Universidade através das experimentações e invenções em curso nas pesquisas que fazemos. Algumas questões guiam a nossa proposta: que pesquisas/experimentações estamos desenvolvendo? O que está em causa nessas pesquisas? Como elas se relacionam com a ideia da Universidade como espaço de liberdade e resistência? Que riscos enfrentamos? Que práticas devemos preservar ou inventar? O que queremos reivindicar e como podemos nos organizar?

Comissão organizadora:

Andreza Berti
Bernardo Oliveira
Reuber Scofano
Teresa Gonçalves
Thiago Fortes Ribas

Página oficial da Faculdade de Educação da UFRJ