Consulta pública em relação ao desenho proposto do novo currículo de Pedagogia FE/UFRJ – Turno matutino

A Comissão de Reforma do Currículo da Pedagogia convida professores, técnicos e estudantes para participarem da consulta pública em relação ao desenho proposto do novo currículo de Pedagogia FE/UFRJ.

Responda à consulta pública no link https://goo.gl/forms/LRmj8ZyeQT4RsPnC2
Contamos com a participação de todos!
OBS: A senha requisitada para o preenchimento da consulta pública foi enviada por e-mail.
Comunicado da Coordenação de Pedagogia:

Cara Comunidade Acadêmica  da Faculdade de Educação,

Na semana passada disponibilizamos o novo desenho curricular para consulta pública.

A apresentação deste desenho curricular, contudo, exige algumas explicações que seguem  neste  e–mail.

Em primeiro lugar, o desenho proposto precisa se enquadrar na legislação vigente que define as Diretrizes Curriculares para a Formação Inicial em Nível Superior para Cursos de Licenciatura e Cursos de Formação Pedagógica para Graduados (Resolução no 2, de 1 de julho de 2015, do Conselho Nacional de Educação). Dentre as várias orientações e normas presentes no documento, ressaltamos  a ênfase em docência e gestão e a carga horária mínima obrigatória assim definida:

  • 2.200h de atividades formativas relacionadas aos núcleos I e II
  • 200h de atividades teórico-práticas relacionadas ao núcleo III (Atividades Complementares)
  • 400h Estágio supervisionado
  • 400h Prática como componente curricular
  • 10% da carga horária total de atividades de extensão

Vale assinalar que esta carga horária mínima deve ser atendida integralmente e a lei é clara sobre a impossibilidade de  considerar estas horas como horas-aula. Deve-se considerar horas relógio (ou seja, 60 minutos).

Em segundo lugar, o desenho proposto buscou atender diretrizes estabelecidas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Educação. Em relação ao perfil do egresso, entendeu-se que o curso precisava centrar-se na formação do professor e gestor para atuação na rede pública da educação básica e ressignificar as relações entre gestão e docência. Além disso, a partir da avaliação do currículo atual, foram definidos princípios que precisavam estar no centro de nossa preocupação ao definir o fluxograma:

(i) Maior autonomia do estudante na construção de seu percurso formativo;

(ii)  Propiciar o contato com o campo de atuação profissional ao longo de todo o curso/imersão na profissão;

(iii)                  Evitar a concentração das disciplinas de fundamentos no início do curso e fomentar o diálogo entre as disciplinas dos diversos departamentos;

(iv) Dar centralidade às práticas;

(v)  Institucionalizar de tempos de integração de saberes, áreas e sujeitos.

(vi) Promover maior interação entre escolas e a universidade .

Acreditamos que o desenho atual atende a estas diretrizes e princípios posto que (i) oferece um número significativo –  muito maior que o atual – de disciplinas optativas; (ii) são criadas as disciplinas Ofício do Pedagogo; Escola como Lócus; Projetos Pedagógicos em Espaços não Escolares e antecipados o  início dos estágios garantindo a imersão na profissão a longo de todo o curso; (iii) os estágios são expandidos para um ano letivo (há a expansão da duração, mas não da carga horária) e unem ensino e gestão na Educação Infantil, no Ensino Fundamental e na Educação de Jovens e Adultos; as disciplinas de fundamentos estão melhor distribuídas pelo curso; além disso, estas áreas – como todas as outras – deverão ofertar sempre disciplinas e oficinas optativas para os estudantes; cria-se o Seminário Integrador que busca articular saberes, práticas e sujeitos em torno de um mesmo debate. Buscou-se ainda atender uma demanda antiga dos alunos de que os estágios estivessem previstos dentro de sua grade de horário.

Devemos salientar que o currículo novo prevê a hora-aula igual à hora relógio, portanto as disciplinas de 45 horas terão encontros semanais de 3h com os alunos e aquelas de 30 horas terão encontros semanais de 2 horas. Todas as áreas ficaram com duas disciplinas obrigatórias a serem cumpridas dentro do tronco comum: a primeira de 45 horas e a segunda de 30 horas. Avaliação, Curriculo e Aprendizagem é uma exceção (ficou com duas disciplinas de 45 horas) posto que ocorreu a fusão de três áreas para compor uma única. Lembramos ainda que todas as áreas deverão ofertar disciplinas eletivas e oficinas todos os semestres para que os alunos escolham quais cursar.

Os Seminários Integradores serão de responsabilidade de um ou mais professores. O aluno poderá escolher o semestre em que irá se matricular em Seminário Integrador precisando cumprir 4 semestres de Seminários ao longo de sua formação. Apenas um deles será obrigatório, pois fará a articulação entre as práticas de ensino, as didáticas específicas e a didática geral.  Nos semestres em que não cursarem Seminários Integradores, os alunos cursarão oficinas.

Em resumo, a carga horária proposta é a seguinte:

  • —  3620 horas (sendo que 100h são extensão e ativ. complementares, somando portanto 3520h)
  • —  1.695h Disciplinas comuns obrigatórias
  • —  510h Eletivas (TOTAL dos núcleos I e II : 2.205)
  • —  480h Estágio supervisionado
  • —  405h Prática como componente curricular
  • —  200h Atividades acadêmicas complementares (100h desta poderiam ser cumpridas com atividades de extensão)
  • —  330h Atividades de extensão

Após a aprovação deste desenho, cada área deverá construir coletivamente as ementas para as disciplinas obrigatórias, as optativas e as oficinas, assim como sugerir nomes mais adequados às mesmas se assim desejarem.

Acreditamos que quanto mais membros da Comunidade Acadêmica envolverem-se na consulta, mais diversificado será nosso currículo e mais consolidados os debates em torno dos conhecimentos imprescindíveis aos nossos licenciandos. Participem!

Atenciosamente,

Maria Muanis e Silvina Fernández